Viva Itabira - Portal da Cidade de Itabira - Cultura - História - Interatividade

Fisioterapia

Infarto agudo do miocárdio

Definição 

Um infarto do miocárdio, conhecido popularmente como ataque cardíaco, ocorre quando as artérias que suprem de sangue a parede do coração – as artérias coronárias – se entopem de repente, em geral por um pequeno trombo (coágulo sanguíneo). 

Estes coágulos sanguíneos normalmente se formam dentro das artérias coronárias já estreitadas pela aterosclerose, um problema no qual placas de gordura ficam aderidas ao longo das paredes internas dos vasos sanguíneos.

Quadro clínico

O sintoma mais importante e típico do IAM é a dor ou desconforto intenso retroesternal que é muitas vezes referida como aperto, opressão, peso ou queimação, podendo irradiar-se para pescoço, mandíbula, membros superiores e dorso. A duração é caracteristicamente superior a 20 minutos. Dor com as características típicas, mas com duração inferior a 20 minutos sugere angina de peito, onde ainda não ocorreu a morte do músculo cardíaco.

As doenças coronarianas, produtoras do Infarto do Miocárdio, tem sido uma das patologias mais estudadas atualmente, tendo em vista a altíssima incidência em que acomete pessoas dos países mais civilizados. A ciência tem demonstrado uma grande variedade de fatores causais envolvidos no desenvolvimento da doença, sendo os mais freqüentemente referidos a predisposição genética, o tabagismo, a hipertensão arterial, a elevação dos níveis de colesterol, o estresse cotidiano, a vida sedentária do homem moderno, a obesidade e a diabetes.

Estresse e a Doença Coronariana

*Ele pode ser definido como um estado de tensão, de pressão, de desgaste, provocado por situações da vida diária. 

Do ponto de vista social, o meio urbano, caracterizado pelas grandes aglomerações, pelo excesso de ruídos, insegurança social, necessidade de urgência em tudo, excesso de informações que estimulam o medo, excesso de competição, carência de oportunidade para todos, excesso de responsabilidades, força exageradamente as pessoas para contínuas e indispensáveis adaptações de vida.

Sabendo que a existência dos conflitos é universal e fisiológica, a maneira como reagimos à eles é que caracterizará as pessoas; alguns reagem aos seus conflitos com muito mais ansiedade (e estresse) que outros. Portanto, as pessoas reagirão de maneira diferente diante de uma mesma realidade, ou ainda, arriscarão diferentemente a saúde de suas coronárias.

Estudos mostram que a elevação da pressão, da taxa de colesterol e de triglicérides são as respostas do nosso corpo às emoções e pode ser uma reação normal. 

Essas taxas, por exemplo, aumentam em estudantes às vésperas de um exame importante, comparadas às de depois do exame. 

O mesmo pode ocorrer, ainda, em indivíduos que são submetidos a entrevistas estressantes ou com lembranças que mobilizam neles forte carga emocional, ou em pessoas que exercem profissões que exigem atividade contínua e decisões importantes.

Há outras observações realizadas pelos cientistas. As guerras são situações de grande e contínuo stress.Na guerra da Coréia, nas autópsias, americanas muito jovens, com idade média de 22 anos, foram encontradas lesões coronarianas em 77% dos casos. 

Conseqüências do Estresse

As conseqüências do stress repetido são os sintomas do  stress, tais como o cansaço, a irritabilidade, a depressão, a insônia, a redução da resistência física e as doenças. A resultante desse mau ajuste ao stress da vida é a elevação da pressão, do colesterol, dos triglicérides, é fumar, é beber em excesso, é comer demais, para compensar frustrações e decepções. Em curto prazo, há um aumento progressivo da aterosclerose e, a longo prazo, o surgimento da doença coronária.

Infarto agudo de miocárdio e depressão

A depressão é um forte agravante para a mortalidade no Infarto do Miocárdio. Um paciente que desenvolve uma depressão clínica dentro dos 18 meses depois do Infarto do Miocárdio eleva significativamente o risco de mortalidade. 

Alguns estudos têm apontado em torno de 66% o número de pacientes com Infarto do Miocárdio que sofrem algum transtorno emocional, principalmente de depressão ou ansiedade. A depressão maior esteve presente em aproximadamente 20% dos pacientes.

Na população geral, a incidência de depressão maior e menor, tem sido de 3% e 5% respectivamente. Mais alarmante ainda é a ocorrência de depressão pós-ponte coronária (ou outra cirurgia de revascularização), chegando a cifras assustadoras de 68% dos pacientes, conforme o gráfico.

Prevenção da doença coronariana

Em primeiro lugar, é necessário refletir e observar como as pessoas levam a vida. Nós raramente paramos para pensar. Em que ocasiões têm mais vontade de fumar ou ‘assaltar a geladeira’. Se vivem apressados e o que causa stress. O que acontece que não conseguem controlar o colesterol ou a pressão O que acham que precisariam mudar para prevenir o agravamento da enfermidade. É necessário dedicarem-se à mudança como algo importante. As mudanças exigem disciplina e seriedade.Em segundo lugar, devem se propor a melhorar a qualidade de vida. : não trabalhar demais, diminuir a pressa, o excesso de compromissos e dedicar-se ao lazer, fazer uma coisa de cada vez e evitar preocupações desnecessárias. Pensar no que significam os acontecimentos no futuro, pois provavelmente não terão o mesmo peso e significado atual. Procurem identificar o que os deixa tensos e irritados. Procurem afastar-se de situações perturbadoras, porque se a situação os perturbou muito, provavelmente não poderão resolvê-la no momento e, com mais calma, poderão avaliá-la melhor. As caminhadas, além do benefício ao aparelho circulatório, são excelentes meios de redução do stress. Quando se sentirem perturbados, saiam para caminhar e só retornem quando notarem que estão mais tranqüilos 

Tratamento Fisioterápico

A fisioterapia é importante na prevenção de complicações pulmonares e nas alterações mecânicas e funcionais do sistema respiratório, de pacientes cirúrgicos e clínicos. A fisioterapia na UTI também constitui um recurso terapêutico eficiente para tratamento e manejo dos pacientes submetidos à ventilação mecânica. Com isso, pretende-se reduzir o tempo de estadia nas UTI’s e internação hospitalar, evitar as complicações provenientes da restrição prolongada no leito, prevenir e tratar as complicações respiratórias e motoras em pós operatórios, dar apoio emocional, promover uma readaptação do paciente frente às incapacitações apresentadas a sua nova vida e proporcionar ao paciente o restabelecimento da saúde nas melhores condições possíveis para alta hospitalar.

Quais são os objetivos do tratamento

- Promover higiene brônquica, expansão e reexpansão pulmonar para melhora da função respiratória; 

- Evitar atrofia muscular e manter e/ou restaurar amplitude articular; 

- Prevenir trombose venosa profunda, embolia pulmonar, pneumonias e hipotensão  postural;

- Diminuir a ansiedade do paciente;

- Aliviar a dor;

- Educar o paciente quanto a sua doença e eventuais mudanças de hábito;

- Restaurar autonomia para atividades de vida diária (AVDs) e preparar para deambulação.

O atendimento ao enfartado na UTI objetiva:

Alívio da angústia inicial através do trabalho sobre as fantasias mórbidas;

Abordagem psicoterápica de possíveis síndromes psicológicas (exemplo: depressão); 

Colocação do paciente frente ao seu estado real, limitações e possibilidades;

Orientação e apoio nas fases em que o paciente atravessará até a sua alta da UTI. Esse tipo de orientação visa colocá-lo como participante de seu processo de tratamento e a minimizar o impacto da dependência e impotência que ele experimenta. 




 

7 Respostas para "Infarto agudo do miocárdio"

  • vani da silva diz:

    achei a materia otima,mas ainda vou para a cirurgia,Sofri um infarto e vou ter que operarar.

  • OLIVEIRA diz:

    parabens pela materia , iam aos 51 anos, e stent aos 59 anos e esta materia elucidou minhas duvidas

  • paulo correa coelho filho diz:

    parabens, com 47 anos sofri -iam- recentemente e o melhor artigo ja lido por mim. simples e objetivo sem "bla bla bla".

  • ademírson Nazário da Silva diz:

    Gostaria,se possível de obter Um artigo Cientpifico sobre a Fisioterapia Respiratória no Pós-Cirúrgico por Infarto Agudo do Miocardio.Cbrigado ademírson Nazário.OBS:É Urgente.

  • Antenor Cassimiro Filho diz:

    Reportagem, simples, objetiva e realmente infomativa. Escrita de forma que pode ser entendida por todos, inclusive os leigos. Parabéns!

  • wanderlea da silva vale diz:

    Gostei da informação,pois recentimente perdir meu sogro com apenas 59 anos essas orientaçãoes me orientam para outras vigilancias com meus pais idosos.

  • Isabela diz:

    Adorei a matéria, simples e objetiva.Parabéns.

Deixe seu comentário

Nome Preenchimento obrigatório
Email Preenchimento obrigatório

 

Home | Viva História | Viva Turismo e Lazer | Viva Artes e Cultura | Viva Drummond
Viva Agenda | Viva Interativo | Matérias Especiais | Rádio Viva Itabira
 
© 2008 Viva Itabira | Política de Privacidade | Anuncie Aqui | Fale Conosco